Arquiteturas da Esperança: Cidadania, consumo e mobilidade de classe na política habitacional brasileira, por Moises Kopper

imagem12

Arquiteturas da Esperança: Cidadania, consumo e mobilidade de classe na política habitacional brasileira[1]

Por Moisés Kopper[2]

 

Vidas no Futuro

– Isso aqui vai cair pra baixo e nós vamos todos morrer! – uma voz embargada sentenciou, apontando para a parede úmida no fundo de uma casinha enjambrada.

Em 2013, conheci Dona Hilda, uma senhora negra de 96 anos que vivia no alto de um morro, na periferia da cidade de Porto Alegre, no sul do Brasil.

No caminho até a sua porta, a geografia acidentada e íngreme era completada por fragmentos de tijolos, vestígios de casas, ervas daninhas e brinquedos abandonados.

Transitando de um projeto habitacional a outro, as memórias de Dona Hilda esculpiam a temporalidade dessa precariedade. Suas palavras cadenciadas e resolutas forjavam uma cartografia de desejos e deslocamentos.

Dona Hilda estava certa de que não teria a mesma sorte dos tijolos em decomposição. Eles a convidavam para sair e deslocar-se, reinventando um futuro que insistia em espreitar, apesar da idade.

Em 2009, Dona Hilda foi convidada a participar do Codespa, uma associação local de futuros moradores que demandava unidades habitacionais através do Programa Minha Casa, Minha Vida, do governo federal.

Após cinco anos de militância pela casa própria, Dona Hilda foi contemplada e tornou-se o símbolo coletivo da busca pela melhoria de vida através da mobilidade social.

– Durante toda a minha vida, eu passei por diferentes moradias. Agora eu finalmente vou ter um lugar onde posso descansar os meus ossos. Do morro eu vou para o asfalto.

Imagem1

Em janeiro de 2015, encontrei com Dona Hilda em seu novo apartamento. Líderes comunitários, políticos, vendedores de loja e planejadores públicos vinham procura-la para saber de seus devires e merecimentos.

– Tinha dias que eu não acreditava. O pobre? Morar ali? Acho meio difícil. Ali é só pra rico. Mas eu vou em frente! Se eu não ganhar, não perdi nada. Eu ia pela diversão. Tava lá no meio da conversa. Dava risada, brincava. Se eu não ganhar, eu não perdi nada. Eu lutei!

Dona Hilda estava em paz.

– Eu não quero mais nada. Isso aqui está bom. A gente sendo feliz, é o importante. Pago direitinho. Não sou gastadora. Comer bem, beber bem, dormir bem. Só isso.

* * *

Não me lembro exatamente como foi que conheci Marília. A senhora negra, de cerca de sessenta anos, estatura baixa e voz impostada, havia se construído na circulação pelos espaços da democracia participativa de Porto Alegre. Em 2009, para fazer uso da política habitacional, ela criou um novo fórum de participação, convencendo centenas de famílias a perseguirem coletivamente o sonho da casa própria.

– Tu não transforma a cultura de uma família do dia para a noite. Trabalhamos seis anos para preparar esses moradores. Nós temos um tripé: precisamos de habitação, desenvolvimento econômico e educação. Conseguimos a casa, o resto a gente corre atrás.

Circulando pelos bastidores da política, Marília costurou alianças e negociou influências.

– Essa é uma parceria com o governo que deu certo! A gente tem o direito humano à moradia. Eu sozinha não removo uma pedra. Eu fui o caminho; quem garantiu foi eles. Eles foram a estrada que me levou numa trilha correta e digna—Marília gritou na direção do prefeito, durante a inauguração do Residencial Bento Gonçalves, em setembro de 2014.

* * *

“De tanta tristeza na vida de uma pessoa, ela fica parada, cansada, estagnada no tempo. Aquilo te trava, vira um peso que tu não consegue carregar”—explicou Rodrigo, um jovem de cerca de 30 anos, casado e pai de um adolescente, enquanto narrava sua história de infortúnios. “É como se tivesse limpando a poeira de uma pessoa, botando de pé e colocando pra caminhar de novo. Dar um rumo. Assim que eu me senti, nem sei como explicar. A ideia é virar em 180 graus a vida. A gente quer melhorar. Esse é o combustível”.

Nas semanas que antecederam a mudança, Rodrigo foi apontado síndico do condomínio. Em janeiro de 2015 foi difícil encontrá-lo em seu apartamento; ele circulava entre pátios, corredores e vizinhos, antecipando problemas e imaginando soluções. Suas palavras estavam agora mais espaçadas, mas o projeto de transformação subjetiva imaginado dois anos antes seguia vibrando através de sua narrativa.

– To aqui hoje. Foi uma questão de sorte. A gente fica esperando uma palavra, uma oportunidade, uma inserção, que é pra ti conseguir continuar.

Imagem13

Ele tomou uma pausa para respirar. Ao ensaiar os primeiros desdobramentos da vida em condomínio, ele falou dos coletivos emergentes, cavando um espaço para o redesenho de sua própria subjetividade. No novo ambiente de mobilidade propiciado pela política pública, o deslocamento da associação tornara-se sua própria caminhada vital como cidadão no mundo.

– Tem muita coisa que passa na minha cabeça, tem muita coisa pra fazer. Não sei dizer se amanhã vou estar aqui. Por mim eu to num lugar melhor, se tiver oportunidade de mudar de padrão. O objetivo é mudar de classe social, mas as pessoas ainda não tão enxergando isso. Eu quero fazer enxergar. Que o meio onde ela vive empurre ela pra isso. Mesmo que ela tenha 90 anos de idade. Dar uma esperança. Agora só o tempo pra dizer. Temos 10 anos de financiamento. São 10 anos pra ficar aqui. Um reloginho, contando. Se em cinco anos eu puder ter uma vida melhor… O ambiente que eu vivo me impulsiona pra isso, basta meu esforço. Tenho que construir isso, e depois habitar.

* * *

Inicio minha fala com estas três estórias pois elas dão pistas para entendermos a extensão das vidas transformadas pelas políticas públicas na década de 2000 no Brasil. Em 2012, o indicador clássico de mensuração da desigualdade de renda, o Coeficiente de Gini, caiu para seu menor patamar desde 1960 (Paes de Barros, Foguel, and Ulyssea 2007). Ao longo de mais de uma década, uma economia em crescimento, baixo desemprego, e múltiplas políticas públicas construíram o caminho para a redução das desigualdades sociais e para a mobilidade ascendente de milhões de brasileiros. Com a estabilidade inflacionária, o aumento real do salário mínimo, a expansão do crédito e dos programas de transferência de renda, o Brasil parecia finalmente se mover em direção ao crescimento, ao desenvolvimento e à modernização. Pessoas como Dona Hilda, Marília, Rodrigo, e tantas outras que atravessam a trajetória da pesquisa, tiveram uma oportunidade de re-imaginar seus futuros, até então improváveis. Figuras de sentido como a da pirâmide social (empregada para contar a história de um país desigual e de estratos bem marcados), pareciam não fazer mais sentido. Ou melhor, elas estavam agora em ebulição.

Com a melhoria de vida de mais de 40 milhões de pessoas enquadradas em linhas internacionais de pobreza, muitos intelectuais públicos passaram a disputar o enquadramento dessa população. Seria possível falar no surgimento de uma nova classe social? Que segmento heterogêneo era esse? A partir de um mapeamento das matérias de jornal publicadas nos dez principais periódicos brasileiros entre 2001 e 2014, foi possível observar a temporalidade desse debate.

Imagem14

Economistas, jornalistas, políticos e marqueteiros viram na ascensão econômica dessa população a emergência de uma “nova classe média”, definida na releitura de estatísticas nacionais e rapidamente tornada alvo de intervenções governamentais e de mercado. O termo foi cunhado em 2008, pelo economista-chefe da Fundação Getúlio Vargas, Marcelo Neri (Neri 2008). Desde este ano, segundo constatei, seu nome aparece referido 470 vezes em 2159 matérias de jornal sobre a “nova classe média”.

O termo tornou-se parte de um idioma corriqueiro entre intelectuais públicos, jornalistas e políticos para narrar as transformações políticas e econômicas de um “Novo Brasil”. A partir de indicadores sociais capazes de mensurar o grau de felicidade, e de microdados oriundos de pesquisas de orçamentos domésticos e de emprego, Neri propôs que os avanços da economia fossem avaliados não pelo crescimento do PIB, mas pelo aumento no poder de compra das famílias na base da pirâmide. Técnicas estatísticas e microeconométricas permitiram que Neri contasse a história de uma desigualdade social em queda e da gestação de uma nova classe de trabalhadores, mulheres, negros e jovens. A nova maquinaria científica desse conceito prognosticava que, já em 2010, a chamada “nova classe média” perfazia 53% da população brasileira, isto é, famílias com renda per capita mensal entre R$ 291 (US$ 122) e R$ 1019 (US$ 425) (segundo valores de 2012). Por meio de raciocínios contrafactuais de teste e erro, Neri afirmou que este era o espelho da nova sociedade brasileira.

O economista, contudo, não estava sozinho nessa empreitada. Em 2012, quatro anos passados, o governo federal apropriou-se do debate através da agora extinta Secretaria de Assuntos Estratégicos, que propôs um novo critério de classificação para a estratificação brasileira. Pouco depois, o assunto tornou-se ainda objeto de pesquisas do Banco Mundial. Dei-me conta, então, que uma etnografia da mobilidade social recente precisava levar em consideração esses alinhamentos efêmeros de escalas variáveis que evidenciavam as “novas classes médias” como gramáticas políticas, econômicas e morais, em nome das quais objetos de pesquisa e intervenção governamental eram desenhados e consolidados.

Antes mesmo de Marcelo Neri cunhar o debate, analistas já prenunciavam a formação de um mercado consumidor de massas na base da pirâmide brasileira. Em 2001, o publicitário Renato Meirelles fundou o primeiro instituto de pesquisas de mercado especializado em “consumo popular”, as chamadas Classes C, D e E. Inspirando-se em uma consolidada literatura internacional de business e gestão, seu objetivo era deslocar os paradigmas da propaganda para incorporar os referenciais culturais distintivos dos grupos populares na comunicação das grandes empresas com este público-alvo. Quando Marcelo Neri deu voz ao argumento de uma nova classe social, Meirelles não teve dúvidas: a sociedade brasileira movia-se da pirâmide ao diamante social. Nas mãos de publicitários, sociólogos, antropólogos, demógrafos e economistas engenhosos, as pesquisas de mercado converteram-se em um site crucial para a produção de verdades sobre o gosto, os anseios e as características de consumo da “nova classe média”.

De grupos populares a consumidores desejantes, de excluídos a cidadãos conscientes: essas passagens foram cristalizadas na construção sociotécnica dos próprios institutos de pesquisas, de suas metodologias, precificações, clientes e, sobretudo, através das performances de consultores especializados na “nova classe média”. Contando as histórias de gente simples, Renato Meirelles desenhava os contornos de seu próprio personagem. De pobres sem voz a protagonistas emancipados, Meirelles desestabilizou suposições tradicionais do marketing e recolocou o mercado como um espaço experimental para o exercício controlado da cidadania.

Transitando entre pólos multissituados de pesquisa em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Brasília, e em Washington D.C., pude apreender como a gramática da “nova classe média” operou como uma figura de integração e dissidência, congregando políticos, economistas, jornalistas, marqueteiros e sociólogos em torno de um tema comum: a mobilidade econômica ascendente de milhões de brasileiros na década de 2000. Percebi que essa mobilidade foi agenciada, concretamente, por meio de assemblages (Collier and Ong 2005): refiro-me a composições—por definição móveis, fugazes e efêmeras—em que se alinharam discursos científicos, políticos, econômicos, morais e subjetivos, para afirmar (em palavras, imagens e práticas) a existência de uma “nova classe média”.

Em seu conjunto, portanto, essa mobilidade estava baseada em tecnologias de experimentação que criaram uma população ficcional que precisava ser desvendada, explorada, governada. Como uma gramática moral, essa linguagem estava ancorada nas fronteiras entre cidadania e consumo, na medida em que falava de uma população composta de jovens, mulheres e negros, beneficiários de políticas públicas e novos consumidores de um mercado interno em expansão.

Quem, entretanto, eram essas pessoas? O que desejavam, quais seus devires e para onde caminhavam? Minha inquietação etnográfica permitiu enxergar um buraco nessa dicotomia e constatou um silêncio de longa data: a relação da antropologia com as classes sociais. O que um olhar etnográfico sobre a mobilidade brasileira recente poderia engendrar? Que lugar seria esse? Estava claro que era preciso encontrar a “nova classe média” de carne e osso. E nada melhor para isso do que tomar como pano de fundo um componente central dessa mobilidade: as políticas públicas que floresceram em diferentes partes da América Latina desde os anos 2000 com o advento de governos de esquerda. Políticas habitacionais, de modo particular, permitiam retomar o debate clássico da antropologia urbana sobre os usos do espaço, em que a discussão sobre classes encontrava-se diluída, situando-me no coração subjetivo da mobilidade espacial e social: a casa.

Entre 2012 e 2016, realizei trabalho de campo na cidade de Porto Alegre com uma associação de futuros moradores que desde 2009 se mobilizava para reivindicar unidades habitacionais, na esteira do lançamento do Programa Minha Casa Minha Vida. Criado em 2009, no fim do segundo mandado do então presidente Luís Inácio Lula da Silva, o programa tornou-se uma marca da gestão do Partido dos Trabalhadores no governo federal. O programa concedeu subsídios e financiamentos habitacionais sem precedentes históricos a mais de 2,4 milhões de famílias com renda de até dez salários mínimos, colocando em marcha mais de R$ 320 bilhões até 2015. Baseando-se numa maquinaria difusa que se espalhou para centenas de cidades ao longo do país, o programa empoderou líderes locais, técnicos e planejadores para decidir questões como o número de unidades e a sua alocação entre beneficiários. O programa também passou a ser visto como um dos motores do rápido crescimento econômico brasileiro, em expansão ao longo da década de 2000, fortalecendo a construção civil e articulando-a ao trabalho de planejadores urbanos, elaboradores de políticas públicas e movimentos sociais. Como Dona Hilda sugeriu, o programa operou na regularização de ocupações ilegais de terra, num esforço de superação da pobreza e da precariedade, em direção a um mundo moderno de asfalto e de infraestrutura urbana.

Na medida em que o projeto deslanchou, organizações coletivas mobilizaram-se em diversas partes do país para obter acesso aos recursos, prefigurando novas formas de ativismo político e engajamento social. Fui introduzido às proezas de Dona Hilda e tantas outras beneficiárias do PMCMV por meio de uma líder comunitária de nome Marília Fidel. Ela figurava entre as principais lideranças populares de Porto Alegre, tomando parte do Orçamento Participativo e circulando pelos bastidores da política partidária.

Em nossas conversas, Marília contou-me a história de uma pacata dona de casa e trabalhadora de supermercados, moradora da periferia de Porto Alegre, que assistia passivamente às movimentações da política comunitária do bairro. De suas primeiras experiências quando resolveu afrontar os homens que comandavam a associação de moradores, preocupados apenas com o futebol de várzea, restaram-lhe as memórias de como quase “venderam as ruas” de sua comunidade para a iniciativa privada. Às voltas com o problema da degradação das habitações de seu bairro, ela mobilizou os moradores para ocuparem os espaços públicos de participação onde as tomadas de decisão eram performadas e onde os direitos e expectativas das comunidades carentes poderiam se fazer ouvir.

Com o lançamento do PMCMV, em 2009, ela criou um novo fórum de participação. O Conselho de Desenvolvimento do Partenon, Codespa, passou a reunir centenas de famílias interessadas em perseguirem coletivamente o sonho da casa própria. Desde o início, a associação promoveu encontros com políticos, burocratas de estado, representantes de empresas construtoras e do banco público Caixa Econômica Federal, subsidiário do financiamento habitacional. Abraçando e replicando esse modelo de governança difusa, o Codespa e suas atividades de capacitação cidadã e inclusão social tornaram-se um elo importante na maquinaria política do programa habitacional.

Desde as primeiras reuniões, seus membros eram informados que não haveria apartamentos para todos. O número limitado de unidades habitacionais licenciou os líderes da associação a decidir critérios informais de inclusão e exclusão da política pública, para além dos critérios oficiais previstos pela política pública, que são: renda familiar de até três salários mínimos, mulheres chefes de família, deficientes físicos, idosos, e moradores de áreas irregulares. A militância através da participação assídua nas reuniões e do pagamento de mensalidades de R$ 10 (US$4) constituíram os investimentos morais, temporais e financeiros mais importantes que orientaram a inclusão e exclusão de pessoas da política pública. Novas burocracias e complexos sistemas computadorizados de identificação foram desenvolvidos para manter o controle dos membros, o que gerou intermináveis filas nos inícios das reuniões. Levadas a participar das reuniões e a produzir testemunhos públicos de sua necessidade, as pessoas aprendiam noções de cidadania e direitos, eram capacitadas a como viver em condomínio, e muitas vezes encontravam um espaço intersticial, longe dos afazeres e das agruras do dia-a-dia.

Os efeitos desse sistema de classificação podem ser melhor entendidos observando-se o caso de Jussara. Sócia do Codespa desde 2009, ela lembra bem do dia em que membros do Codespa vieram visitá-la, semanas antes das eleições municipais de 2012. Naquela época, Marília concorria a uma vaga na Câmara de Vereadores e passava de casa em casa para avaliar as necessidades dos futuros moradores. Assim que a comissão passou, Jussara ouviu sussurros de como sua casa era bonita, e decidiu abordá-los. “Eu quero que vocês vejam a minha casa, por dentro!”, ela pediu. Depois de entrarem através de um beco estreito, ela continuou: “Esta é a minha parte da casa; minha mãe mora no segundo piso e eu divido o primeiro piso com a família do meu irmão”. Ela seguiu apresentando os cômodos: “Essa é a sala de estar, uma cozinha improvisada e um quartinho que eu divido com meu marido e a nossa filha”. Segundo Jussara, os membros do Codespa ficaram impressionados com a sua atitude proativa e aliviados por não terem incorrido no erro de excluí-la do programa. Ela concluiu: “Se eu não estivesse em casa naquele momento para me defender, meu destino teria sido outro. Eu só lamento que eu não tinha um carro para levar a comissão até a casa da minha irmã e mostrar que a casa dela era ainda pior que a minha”.

Vivendo com a família estendida em uma casa não-documentada, mas relativamente grande no topo de um morro no bairro Partenon, Anelise cumpria apenas parte dos critérios oficiais do programa. Enquanto isso, sua irmã—como chefe de família, desempregada e sofrendo de deficiência auditiva—estava tecnicamente mais apta a preencher os critérios da política. Jussara e sua irmã frequentaram diligentemente as reuniões do Codespa por mais de cinco anos. No processo, elas se ajudavam mutuamente para não perderem a esperança na mobilização e no desejo da primeira casa própria. Ainda assim, depois de todos esses esforços, apenas Jussara pôde continuar. Para os representantes de estado, a exclusão de sua irmã da política pública era justificada por erros de documentação no cadastro; as lideranças locais alegaram que, sendo desempregada e mãe solteira, ela não teria condições de arcar com as despesas da realocação. Além de parcelas mensais subsidiadas pelo governo, os beneficiários da casa própria precisavam pagar taxas de condomínio, contas individuais de eletricidade e água, sem mencionar os gastos com o deslocamento e com a mobília para os novos apartamentos. Em seu conjunto, como veremos, esses pagamentos tinham o objetivo de disciplinar e pedagogizar as pessoas como consumidoras da casa.

Em seu conjunto, as razões usadas para explicar a exclusão da irmã de Anelise falam da seletividade e da produção de novas micro-desigualdades através das políticas públicas no Brasil recente. Num contexto em que um número limitado de benefícios habitacionais era aleatoriamente distribuído entre os pobres urbanos, a incapacidade de provar a própria necessidade foi tomada como indício suficiente para excluir beneficiários como a irmã de Jussara da luta de um país por inclusão social através do acesso a bens e serviços que demarcariam a saída da pobreza endêmica.

Essa arquitetura social da política produziu o que chamo de “cidadãos desejantes”: pessoas dispostas a se engajar em um ativo trabalho moral, em que objetivavam a própria pobreza e seu desejo pela melhoria de vida. Esse trabalho deu origem a um excedente simbólico—o merecimento—e era com base nisso que os líderes da associação decidiam quem seria incluído e excluído da política habitacional. Era nessa maquinaria, enfim, que economias locais da esperança floresciam e permitiam dar aos beneficiários a chance de reimaginarem seus futuros.

Dona Hilda era uma hábil contadora de histórias e era assim que navegava com sucesso esse terreno micropolítico e desigual que articulava política eleitoral, clientelismo, corrupção e idealismo coletivo. Ela aprendeu rapidamente a fabricar histórias endereçadas a uma crescente audiência de planejadores públicos, agentes governamentais, líderes locais e cientistas sociais, incluindo-me entre eles. Dona Hilda desenvolveu a capacidade de experimentar com seu passado para combinar peças de sua vida e recontá-las através do prisma dos projetos em que habitara.

Em uma das reuniões do Codespa, a senhora negra de 96 anos convidou-me para sentar ao seu lado. Faltava uma hora para o início da reunião mensal e era comum que ela chegasse antes mesmo da diretoria. Pedi que me contasse sua história—qualquer uma. Em um par de sentenças desinibidas, fui transportado por entre casas, sonhos e projetos interrompidos, até que parou, olhou em meus olhos, e confessou: “mas eu ainda tenho aquela carta”. O documento tinha então mais de vinte anos e havia sido inventado pelo Departamento Municipal de Habitação. Ele situava Dona Hilda em uma lista de espera por benefícios que raramente chegavam, conectando a senhora aos espaços e tempos da burocracia estatal brasileira. Registrada em uma base de dados social, Dona Hilda permaneceu esperando pela casa própria, enquanto circulava entre alugueis informais, propriedades inacabadas e invasões em áreas verdes do bairro Partenon.

Em 2009, procurada por Marília, ela levou a carta até o Departamento de Habitação. “Eu nunca botei fora. Tirei xerox e mandei lá. E por causa desta carta a minha parte ta garantida. Eu fiquei inscrita!”, ela me contou naquele nosso primeiro contato. Frequentando as reuniões do Codespa, Dona Hilda aprendeu a descrever-se como uma merecedora; ela contou e recontou várias vezes sua história, diante de uma audiência crescente de políticos, autoridades, líderes comunitários e marqueteiros em busca da “nova classe média”. Através da experiência coletiva de militância pela habitação, Dona Hilda tornou-se a peça central e a face pública de uma história de sucesso da política habitacional em Porto Alegre. Seu laborioso trabalho por cidadania, sua busca por conexão moral e reconhecimento político, escavaram espaços subjetivos que a colocaram em movimento. Sua espera tornara-se, enfim, esperança.

Ao longo da pesquisa, dei-me conta de que essa comunidade purificada de indivíduos organizada ao redor do imaginário da casa própria, do endereço fixo, da formalização e da dignidade, estava alinhada a uma economia política mais ampla que debatia os avanços sociais e redistributivos da década de 2000 no Brasil. Seus becomings políticos e econômicos eram nódulos locais de uma engrenagem que se repetia em diversas partes do país, à medida que os efeitos das políticas públicas se faziam sentir entre populações tradicionalmente alijadas dos dividendos políticos e econômicos do crescimento.

Do ponto de vista antropológico, o desafio estava em desenvolver uma metodologia que permitisse captar, qualitativamente, a dinâmica e os efeitos dessa mobilidade que, empiricamente, estava em todo lugar e que constituía o centro dos debates políticos e das narrativas de meus interlocutores de pesquisa. Que tipos de mobilidade a política da casa própria e suas ambiguidades permitia, afinal, observar? Que subjetividades econômicas e políticas estavam florescendo desses encontros e alinhamentos difusos entre intelectuais, políticos, marqueteiros e beneficiários de políticas públicas?

No Brasil, a antropologia urbana se estruturou pensando os efeitos desiguais da rápida industrialização e urbanização nos anos 1960 e 1970 nas vidas dos chamados “grupos populares” (Cardoso 2011; Durham 1973; Fonseca 2006; Sader and Paoli 1986). Etnografias sobre os modos de vida cristalizados por favelas, cortiços e projetos habitacionais em bairros periféricos se espalharam e tornaram-se a crônica do acesso desigual dos brasileiros à infraestrutura pública. Em seu conjunto, esses estudos apontaram os dilemas e impossibilidades da mobilidade econômica e social entre os pobres urbanos. Mesmo entre as camadas médias estudadas por Gilberto Velho (1973, 1987, 1994), a ascensão social era um projeto individualizante que carregava uma ruptura familiar, social e geográfica com o passado, demandando a invenção de um novo estilo de vida.

Entre os membros do Codespa que se preparavam para receber os novos apartamentos, o desafio estava em captar um projeto coletivo de mobilidade social, que passava pelo deslocamento espacial—“do morro ao asfalto”, como diziam meus informantes—, mas que era vivenciado menos como um rompimento e mais como uma transição social. Ao participarem diretamente dessas teias locais do estado e do mercado, as pessoas procuravam converter a mobilidade espacial em mobilidade social de fato.

Para ajudar a mapear esses desdobramentos na nova vida em condomínio, conduzi em janeiro de 2015 um survey sociodemográfico com as 160 famílias do Codespa que se mudaram para o Residencial Bento Gonçalves em setembro de 2014. Os dados revelaram uma população heterogênea, muito próxima à “nova classe média” dos intelectuais, composta 70% de mulheres chefes de família e 61% de negros ou pardos. 40% tinham, pelo menos, ensino médio completo (acima da média brasileira de 38,7%), mas apenas 7,1% estavam cursando ou haviam se formado no ensino superior (abaixo da média nacional de 16%). 54% das famílias participavam de outras políticas públicas, e apenas 38% já havia residido em condomínio anteriormente.

Foi com a ajuda de meus interlocutores de pesquisa que passei a pensar as categorias morais associadas ao uso e apropriação da casa como materialidade política. “Luta”, “acesso à dignidade”, “merecimento”, “acesso à cidadania” e “oportunidade única” foram as expressões mais mencionadas quando perguntados sobre o que significava morar no Residencial Bento Gonçalves. Em seu conjunto, esse repertório valorizava o engajamento ativo dos beneficiários na demanda pela casa própria, o merecimento produzido nessa militância, e a capacidade de aproveitar a oportunidade única concedida pela política pública.

“Mas o que é classe média?”, uma senhora respondeu em nossa conversa, quando eu lhe dirigi a clássica pergunta sobre auto-identificação. Sem dar pistas sobre os diferentes critérios de classificação em torno dos quais intelectuais brasileiros se digladiavam, deixei que ela explorasse seu próprio esforço de conceituação da nova vida. “Somos todos iguais, todos temos problemas”, ela disse. Mas, à medida que ela revelava seus planos de comprar um carro, viajar de férias, e pagar as dívidas de seus cartões de crédito, ela se alinhava às expectativas que intelectuais nutriam a respeito da realidade da nova classe média. Sua vida havia sido remodelada através do acesso à casa própria: “Se eu tivesse grana, poderia ter construído um casarão no morro, mas as coisas não são assim. Eu quis sair. Não aguentava mais os meus pés sujos de barro. Eu tenho outras prioridades”. Assim como o futuro que a levou ao Residencial Bento Gonçalves, o futuro que a espreitava ainda era incerto. Permanecer ou sair? Colocada no circuito da mobilidade, era ainda muito cedo para saber ao certo qual o horizonte de chegada de sua imaginação.

Ouvi histórias similares de várias outras pessoas ao longo do trabalho de campo. Jussara, por exemplo, falou: “Agora eu tenho casa, estou na faculdade, temos o que comer, temos a máquina de lavar e secar, que é uma necessidade. Com isso eu vou conseguir desenvolver melhor a minha vida. Eu acho que eu melhorei a minha classe não porque eu já estou bem, mas porque ta me dando condições de ir mais além. Isso de classe não é que tu já esteja, é que nem um investimento na bolsa. Tu ganha dinheiro, mas ta rico? Não. Eu investi. Eu tenho dinheiro, mas ainda não é meu. Agora eu tenho condições de investir no meu futuro. Lá na frente eu vou colher isso que eu to plantando”.

Imaginar a classe média como um ponto de chegada em um futuro abstrato, mas passível de ser desejado, implicava confeccionar uma ética de vida do presente. Significava aproveitar as oportunidades lançadas pelas intervenções estatais, conjugando-as a uma disposição subjetiva de progredir na vida. Instituições como o Codespa tinham o dever de fazer chegar a informação desses benefícios—muitas vezes elusivas, demasiadamente dispersas e improvisadas—aos cidadãos com a capacidade de fazer delas o uso adequado.

Tornar-se classe média era então uma tecnologia moral e subjuntiva em constante processo; ela implicava uma atitude prospectiva, uma temporalidade do movimento em direção a um centro de normalidade, inclusão e reconhecimento. Muitas das coisas que parecem óbvias, continuou Jussara, as classes privilegiadas já aprendiam nas escolas particulares. Como uma espiral em permanente imaginação, o projeto de mobilidade era estendido também às gerações futuras: com os filhos em escolas particulares e com ambientes domésticos propícios para o desenvolvimento pessoal e dos estudos, muitos acreditavam que a casa própria encurtaria as distâncias sociais em relação aos “privilegiados” que, desde cedo, aprendiam a perguntar: “o que você quer ser quando crescer?”.

No survey, busquei explorar as conceituações nativas da mobilidade associadas à experiência de classe. O tópico iniciava com perguntas relativas à renda familiar; em seguida, indagava sobre a melhoria de vida: 93% dos entrevistados disseram que sua vida havia melhorado nos últimos anos. Em outro nível, então, as pessoas eram perguntadas sobre melhorias na situação econômica: 50% disseram estar melhor ou muito melhor, 35% que tudo continuava igual. Na sequência do survey, os entrevistados eram instados a escolher até três palavras em um universo de categorias para apontar sua “situação atual”. O resultado pode ser observado no gráfico. De posse da autoclassificação, o questionário perguntou sobre mudanças na classe social—59% disseram que mudaram—e, finalmente, se os entrevistados concordavam com a afirmação de que pertenciam à “nova classe média”: 38% concordaram, 27% não concordaram e 22% não souberam.

Este foi também um tópico comum durante as entrevistas conduzidas em janeiro de 2015. Após longas narrativas sobre trajetórias de vida, processos de mudança e as novas vidas no residencial, as pessoas eram instadas a falar sobre os efeitos dessas passagens e de suas percepções sobre a mobilidade. “Aqui é classe C”, Seu Juliano, um dos dirigentes do Codespa, referiu. “As pessoas saíram lá de baixo; não tinha casa, não tinha nada. Mudou tudo. Até a pele tá melhor, estão sorrindo mais”, argumentou, colocando ele próprio um grande sorriso no rosto. “Onde eu morava não tinha classe; na vila era tudo descartável”, seguiu em sua conceituação pragmática da mobilidade da qual ele próprio era personagem. “Agora as pessoas têm orgulho de comprar na loja, usar o cartão. Muitos passam várias vezes por dia na caixinha do correio para ver se não veio cartinha. Antes o carteiro não entrava. O carro não passava”.

Em sua descrição, Seu Juliano opunha o morro, lugar em que nada circulava, ao asfalto, esse espaço que conduzia as pessoas a mudarem e colocarem-se em movimento. “Sem querer, a pessoa vai ficar melhor de mente. Vai tirando a poeira. Até os outros falando bem reflete na gente. É bacana ver as pessoas falar da gente”, concluiu.

Em muitos casos, voltávamos ao conjunto de categorias discutidas no survey; as respostas, contudo, eram diversas e inesperadas. A partir dessas interações, percebi que “nova classe média” eram apenas uma das metáforas possíveis para narrar uma experiência de afetação que em muito transcendia o argumento de economistas e sociólogos interessados em discutir os rumos da mobilidade no Brasil. Menos preocupadas com uma política de identificação, as pessoas estavam, continuamente, fabricando explicações para dar conta de seus deslocamentos, costurados entre as tecnologias políticas e econômicas de intervenção e seus esforços de conexão, que os tornaram cidadãos-merecedores da casa própria.

Em seus saberes cotidianos, esses fragmentos ressoavam com as palavras de Foucault (2007), que argumentou que as táticas de governamentalidade “não podem ser dissociadas da questão de como não ser governado?”. Ao recusar a política de localização que minha questão carregava, meus interlocutores deslocavam o registro da fixidez do político para o movimento do cotidiano, ensaiando uma crítica dos modos hegemônicos de narração da mobilidade social no Brasil. Em sintonia com esses fluxos vitais, a etnografia buscou captar as cartografias dessa afetação de classe através do uso, consumo e apropriação da casa e de seus artefatos.

Na implementação da política habitacional, a relação entre os fluxos de coisas e os devires subjetivos foi orquestrada por meio da abertura de mercados de consumo e crédito. Em junho de 2013, o governo federal lançou o “Programa Minha Casa Melhor”—na verdade, uma linha de crédito pré-aprovada de R$ 5mil a juros reduzidos de 5% ao ano destinada aos beneficiários do PMCMV para a compra de eletrodomésticos e móveis para os novos apartamentos. Com o cartão, o governo estipulou uma lista de categorias de consumo, com limites máximos a serem gastos em cada uma delas. Como ficou claro à medida que eu conversei com gerentes e vendedores de loja, esse desenho tinha o propósito de ensinar as famílias a administrar o dinheiro, educando-as a como viver uma nova vida marcada por responsabilidades, prioridades, deveres e direitos.

Na Tabela 2, vemos os principais itens que compõem os novos apartamentos dos beneficiários no processo de mudança. Usando-se do crédito do governo federal e combinando-o a outros instrumentos de crédito, as pessoas aprenderam a navegar a temporalidade do consumo e do endividamento, criando seus próprios jogos de distinção, reformulando sociabilidades familiares e relações afetivas por meio do dinheiro. Jussara, por exemplo, combinou o cartão de crédito do governo federal com empréstimos bancários, comprando a maior parte de seus bens pela internet, onde encontrou preços mais baratos. Para ela, a posse desses bens só se tornou possível através do planejamento familiar, que incluía cálculos precisos sobre a renda doméstica.

Imagem15

A apropriação e consumo dessas materialidades revelou a casa em toda a sua porosidade e saturação, com suas constelações de desejos privados que ressoam com os devires do condomínio. Como uma topografia do self, a casa fez florescer universos emergentes de classe média, de aspiração e imaginação. A casa tornou-se o nódulo central dessa cartografia de expectativas e desejos, um becoming no caminho da boa vida.

Esses novos milieus de transformações subjetivas, incrustados no espaço como cartografias morais da esperança, também pareciam ser, ao mesmo tempo, tentativas de rescrever o destino de projetos habitacionais destinados aos grupos populares no Brasil. Como microcosmos das histórias vividas e idealizadas de cada um e de todos ao mesmo tempo, o Residencial Bento Gonçalves era uma materialidade em permanente construção. Como um lugar para “descansar os ossos” e para refazer a vida, o condomínio cristalizava o devir comum do coletivo em formatação: “dar uma esperança”, nas palavras do síndico Rodrigo, era esse artefato subjetivo, capaz de “fazer enxergar que o meio onde ela vive empurre ela para isso”.

Ao mesmo tempo, a passagem para o Residencial cristalizou novas formas materiais e imateriais de consumo e produção, reprodução e motivação cidadã, desejos por pertencimento e seguridade—preocupações que sugerem a reinvenção do Codespa, de suas lideranças, e a produção de alinhamentos com “novas classes médias globais” na composição de projetos político-econômicos de desenvolvimento, globalização, e construção da nação. É nas fronteiras dessas “produções conjuntas” entre o global e o local, o individual e o coletivo, o político e o econômico, o cidadão e o consumidor, que as aspirações de classe e as materialidades que a acompanham adquirem sentido.

Embebidos na sociedade de consumo, no centro de políticas públicas, buscando melhorias através de sua própria emancipação, beneficiários como Dona Hilda e tantos outros traçaram fluxos vitais que seguiram o que Marcelo Neri chamou de “o caminho do meio” e que Rodrigo, o síndico, assim sintetizou: “Não importa da onde a pessoa veio, importa onde ela quer chegar. O objetivo é mudar de classe, mas muitos ainda não sabem”. Sem encontrar seu ponto final, a história desses encontros, fragmentos e movimentos torna-se a voz etnográfica de uma incompletude vital que convida à busca do retorno na composição de mundos alternativos e improváveis, de outra forma invisíveis ou condenados ao desaparecimento.

Referências Citadas

Cardoso, Ruth. 2011. “Favela: Conformismo E Invenção.” Pp. 159–69 in Ruth Cardoso: Obra Reunida, edited by T. Caldeira. São Paulo: Mameluco.

Collier, Stephen and Aihwa Ong. 2005. “Global Assemblages, Anthropological Problems.” Pp. 3–21 in Global Assemblages: Technology, Politics, and Ethics as Anthropological Problems, edited by S. Collier and A. Ong. Oxford; Malden; Victoria: Blackwell Publishing.

Durham, Eunice. 1973. A Caminho Da Cidade. São Paulo: Perspectiva.

Fonseca, Claudia. 2006. “Classe E a Recusa Etnográfica.” Pp. 13–35 in Etnografias da Participação, edited by C. Fonseca and J. Brittes. Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Foucault, Michel. 2007. “What Is Critique?” Pp. 41–81 in The Politics of Truth. Los Angeles: Semiotext.

Kopper, Moisés. 2016. “Arquiteturas Da Esperança: Uma Etnografia Da Mobilidade Econômica No Brasil Contemporâneo.” Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Neri, Marcelo Cortes. 2008. A Nova Classe Média: O Lado Brilhante Dos Pobres. Rio de Janeiro: CPS/FGV. Retrieved February 10, 2017 (http://www.cps.fgv.br/ibrecps/ncm2010/NCM_Pesquisa_FORMATADA.pdf).

Paes de Barros, Ricardo, Miguel Nathan Foguel, and Gabriel Ulyssea. 2007. Desigualdade de Renda No Brasil: Uma Análise Da Queda Recente. Brasília: IPEA.

Sader, Eder and Maria Célia Paoli. 1986. “Sobre ‘classes Populares’ No Pensamento Sociológico Brasileiro.” Pp. 39–68 in A Aventura Antropológica, edited by E. Durham. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Velho, Gilberto. 1973. A Utopia Urbana: Um Estudo de Antropologia Social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Velho, Gilberto. 1987. Individualismo E Cultura: Notas Para Uma Antropologia Da Sociedade Contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Velho, Gilberto. 1994. Projeto E Metamorfose: Antropologia Das Sociedades Complexas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

 

[1] O texto resume os principais argumentos de minha tese de doutorado (Kopper 2016). O texto é também uma adaptação da conferência apresentada no “Seminario General” do Instituto de Altos Estudios Sociales (IDAES) da Universidad Nacional de San Martin (Unsam), Buenos Aires, 24 de abril de 2017.

[2] Moisés Kopper é doutor e mestre em antropologia social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente, é pesquisador de pós-doutorado da Fapesp junto ao Centro de Estudos da Metrópole/CEBRAP/USP, processo nº. 2016/16265-1. E-mail para contato: moiseskopper@gmail.com

Anúncios